AMORIM LAMENTA FALTA DE INVESTIMENTOS NA CITRICULTURA DE SE - Paparazzo Sergipe
 
 
 
 

AMORIM LAMENTA FALTA DE INVESTIMENTOS NA CITRICULTURA DE SE



05/04/17 08h17   Economia Imprimir

A situação de abandono da citricultura sergipana foi amplamente debatida pelo senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) no Plenário do Senado. Segundo o parlamentar, os principais pomares estão concentrados nos municípios de Arauá, Boquim, Cristinápolis, Estância, Indiaroba, Itaporanga d´Ajuda, Salgado, Tomar do Geru, Umbaúba e Santa Luzia do Itanhy. “Sergipe detém 57,6 mil hectares plantados, dessa maneira, somos o terceiro produtor de citros do país, com uma produção de aproximadamente 840 mil toneladas de frutos”, explicou.

 

Para o senador, a laranja é a fruta mais consumida no mundo atualmente. Ele afirma que Sergipe já chegou a ser o segundo maior produtor do Brasil, hoje, ocupa a terceira colocação. “Dos diversos produtos do agronegócio exportados, o suco de laranja congelado e não fermentado foi o principal produto vendido em 2016, com participação de 47,56% de exportação no setor”,       explicou Eduardo.

 

Do Plenário o senador disse que, a exportação do suco de laranja movimentou mais de US$ 53 milhões, com um aumento de 13,88% em relação ao ano de 2015. “Entretanto, agora, é importante ressaltar que a quantidade de suco de laranja exportado registrou uma queda em 2016, em comparação com o ano de 2015”, disse ao informar que o principal destino do suco sergipano é a Holanda, além de outros mercados como o da Irlanda, o Reino Unido, a Turquia, a Polônia, o Japão, entre outros.

 

Falta investimentos

“Lamentavelmente os governos nos últimos anos vêm relegando a citricultura a um plano inferior, deixando pais e mães de família que vivem dessa cultura passando por grandes dificuldades”, disse ao lamentar que o auge da citricultura sergipana foi nos anos 90. “Infelizmente, por causa das fortes secas, a produção vem caindo, com a mortandade de pomares girando em torno de 30%”.

 

Ao finalizar o pronunciamento o senador afirmou que é importante investir em uma universidade e cursos técnicos voltados para as necessidades da região. “O governo do estado deve, sobretudo, viabilizar crédito para que os produtores possam se recuperar da forte oscilação do mercado ocorrida nos últimos anos e investir nos seus pomares.

 

Da assessoria