Governo do Estado entregará 1.963 casas nos municípios de Estância e Tobias Barreto - Paparazzo Sergipe
 
 
 
 

Governo do Estado entregará 1.963 casas nos municípios de Estância e Tobias Barreto



10/05/17 11h31   Cidade Imprimir

O sonho da casa própria se tornará realidade para cerca de 10 mil pessoas dos municípios de Estância e Tobias Barreto, respectivamente, com a entrega dos residenciais Recanto Verde I e II e Agripino I e II, no sábado, 13. Com investimentos que somam R$136.964.315,09, sendo R$20.667.499,25 de contrapartida estadual para obras de infraestrutura, os conjuntos habitacionais – que são fruto de uma parceria entre o Ministério das Cidades, Caixa Econômica Federal e Governo do Estado de Sergipe – serão inaugurados pelo governador Jackson Barreto e pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi.

 

As casas integram a Faixa I do Programa Minha Casa, Minha Vida (renda familiar de até R$ 1,8 mil) e têm sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço, além de infraestrutura completa. 3% das casas são destinados a pessoas com deficiência.  Os mutuários pagarão prestações mensais com valores entre R$ 80,00 e R$ 270,00.

 

Tobias Barreto

“Estou esperando uma nova vida, uma melhor qualidade de vida. Pagava aluguel e de hoje em diante vai ser só felicidade. O sonho de todo ser humano é ter uma casa própria e eu sempre imaginei que nunca conseguiria ter uma porque não tenho condições financeiras. Eu só tenho a agradecer, primeiramente à Deus e depois ao Governo do Estado por essa minha conquista”, comenta o beneficiário Cristiano Araújo de Souza, que receberá uma das casas adaptadas para pessoas com deficiência. 

 

Mãe de sete filhos, a dona de casa Maria Alves dos Santos, diz que agora com a realização da casa própria, o dinheiro antes gasto em aluguel será revertido para atender as necessidades mais urgentes da família. “Para quem tem sete filhos, pagar R$200 de aluguel era muito pesado. Eu tirava da boca dos meus filhos para poder pagar e agora com esse dinheiro vou poder comprar coisas básicas para eles. Vai fazer uma diferença grande no final do mês.”, aponta.

 

“Estou contando os dias para me mudar. É uma bênção ter uma casa própria, pedi muito a Deus para realizar o meu sonho. Já fui visitar lá e a casa é linda por dentro e por fora. Agora é só alegria”, explica a também dona de casa Sara dos Santos Coelho. 

 

O engenheiro responsável pelas 610 casas dos conjuntos Agripino I e II, José Carlos Silva Junior, explica que os grandes diferenciais do conjunto são a infraestrutura e sustentabilidade. “Os dois conjuntos são compostos por rede de abastecimento de água, drenagem e esgotamento sanitário. São todos pavimentados, com iluminação pública, dispõem de área comum e as casas são com forro, cerâmica no banheiro e na cozinha. Além disso, todas as casas têm aquecedor solar, que serve para aquecer a água dos chuveiros”, detalha. 

 

Estância

Nos conjuntos Recanto Verde I e II, o investimento total para a construção das 953 casas com execução de infraestrutura foi de cerca de R$ 69.251.675,48, sendo que R$ 11.849.050,17, corresponderam à contrapartida estadual, relativa à drenagem, implantação de rede de abastecimento de água e rede esgoto e pavimentação. A construção das casas foi realizada pela Construtora Celi.

 

“Sem o esforço do Governo do Estado, obras como essa não seriam possíveis. E, diante desse esforço, o nosso papel é sempre procurar oferecer à população habitações que sejam sinônimas de segurança, solidez e qualidade”, afirmou o proprietário da Celi, Luciano Barreto.

 

A expectativa é que o empreendimento deva atender cerca de 5 mil pessoas carentes, oferecendo uma estrutura completa. O residencial está dividido em dois módulos, um com 495 unidades habitacionais e o outro com 458. Cada módulo conta com uma quadra de esportes, um espaço coberto com área de 262,65 m², destinado a atividades da comunidade, e um parque infantil.

 

“Esse é um conjunto com 953 habitações populares e que está dentro da faixa 1 do MCMV, no qual até 90% do valor do imóvel pode ser custeado pelo Programa, o que acarreta em prestações muito baixas para os beneficiados. Com isso, é possível prestar um importantíssimo serviço à parcela mais carente da sociedade, que não teria condições de adquirir um imóvel próprio”, completa Luciano.

 

Investimentos em Habitação

A gestão estadual vem realizando uma série de ações visando a reduzir o déficit habitacional existente no estado. São exemplos da iniciativa a construção de 580 unidades habitacionais no Conjunto Residencial Senador José Eduardo Dutra, em Aracaju, e a construção de 600 unidades habitacionais no Conjunto Habitacional Professora Neuzice Barreto de Lima, em Nossa Senhora do Socorro. Os dois conjuntos habitacionais e sua infraestrutura foram construídos pelo Governo de Sergipe no âmbito do Programa Pró-Moradia, resultando de parceria com o Governo Federal, por via do Ministério das Cidades, tendo a Caixa Econômica Federal como agente financeiro. As 1.180 unidades habitacionais destinaram-se a famílias de baixa renda que antes viviam em condições precárias e o investimento para a implantação dos residenciais foi superior a R$ 59 milhões. O Governo do Estado aportou com contrapartida um montante de R$ 19.632.877,43.

 

“O Governo do Estado reconhece a importância social da casa própria para o cidadão, e, sensível a isso tem feito enorme esforços no sentido de desenvolver uma política habitacional para a população de baixa renda. Vários convênios foram feitos no sentido da realização dessas obras. Além  de representar um sonho para esses sergipanos, essas obras estimulam a geração de empregos e a movimentação da economia no nosso estado”, explica o secretário de Estado da Infraestrutura, Valmor Barbosa. 

 

Em março, o Governo do Estado solicitou ao Ministério das Cidades a liberação de recursos para a construção de 2.000 unidades habitacionais em Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Maruim, Riachuelo e Santa Rosa de Lima. O pleito decorreu da ampliação do Programa de Habitação Social Minha Casa, Minha Vida, com a construção de 100.000 unidades habitacionais em todo o Brasil, na Faixa I do FAR e outras 35.000 unidades habitacionais para o PNHU, além de mais 35.000 unidades residenciais no PNHR. 


 
Entre essas casas se incluem o Residencial Primeiro de Maio, em Socorro, com 1.000 casas e o Residencial Reserva das Mangabeiras, antigo Cabo do Revólver, onde deverão ser construídas 768 casas. 

Da Acessoria