Ibama suspende visitação ao Zoológico de Sergipe



11/05/17 12h04   Diversos Imprimir

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) lavrou auto de infração interditando o local para visitações e multando a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), administradora do Zoológico de Sergipe, a pagar multa no valor de quarenta e um mil reais (R$ 41mil). A instituição deixou de atender as exigências estabelecidas pelo Ibama para a melhoria da infraestrutura do local.

 


De acordo com o Ibama, não foi caracterizado nenhum tipo de maus-tratos aos animais, sendo a suspensão de atividades medida cautelar para garantir a execução das melhorias de infraestrutura necessárias ao bem-estar e à segurança da população ao visitar o local.

 


Histórico

 


Desde 2015 o Ibama tem intensificado as tratativas de fiscalização do Zoológico no estado de Sergipe. Paralelo a este processo o Ministério Público Federal impetrou a Ação Civil Pública Nº 0802025-26.2016.4.05.8500, a qual estabelece a obrigatoriedade de fiscalização periódica ao local. Desde então, vistorias do Ibama conjuntas com a Adema, uma delas contando com a presença do Juiz da 3º Vara da Justiça Federal no Estado de Sergipe, foram realizadas e pareceres técnicos emitidos.

 


Pequenos avanços foram constatados nos pontos de melhoria estabelecidos, porém, ao longo do acompanhamento foi sendo verificada uma inércia por parte da administração do zoológico. Esta inércia culminou em retrocessos e falta de avanço nos itens relativos a reparos e adequação de infraestruturas elencadas pelo Ibama desde 2016, constatados em vistoria realizada no último dia 2 de março.

 


Emdagro

 


O diretor Administrativo e Financeiro da Empresa (Emdagro), Sérgio Guerra , disse que respeita a decisão do órgão ambiental, mas acredita que a medida foi drástica. Ele informa que a Emdagro já atendeu alguns pontos do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado no Ministério Público do Estado (MPE) e afirma que outras adequações necessitam do orçamento e levantamento de custos da Cehop e liberação de recursos do governo.

 


“Vamos entrar com recurso para tentar reverter essa decisão. Algumas adequação de alguns serviços, como o baixo nível da água do lago dos macacos, já foram resolvidas. Mas outras, a exemplo da cerca externa de todo o parque, precisa-se de verba”, explica ele, acrescentando que a empresa foi notificada na manhã desta quarta-feira, 10.

 


Com informações do Ibama