“Antes de demolir ou reformar, tire foto, mantenha a memória”, defende Misael Dantas.



24/08/17 10h59   Estância Imprimir
O vereador líder do governo municipal na Câmara, Misael Dantas (PSC), na sessão desta quarta-feira, 23, provocou um tema de forma embrionária que despertou atenção dos seus Pares, como também ganhou o selo de aprovação dos presentes na galeria do Palácio Prefeito Pascoal Nabuco, em Estância.
 
Ao fazer uso do grande expediente, o parlamentar parabenizou o colega Dionísio Neto que havia lhe precedido na tribuna quando discorreu acerca da preservação e resgate dos atrativos culturais, materiais e imateriais existentes no município.
 
 
- Vereador Dionísio, eu me somo a sua preocupação. Se nós não tivermos o devido cuidado com o acervo, as futuras gerações não encontrarão a nossa história; tanto nós como outras cidades já estão sofrendo a destruição da sua história patrimonial. Quantas fotos nós temos da Casa que pertencera às Irmãs Leite, onde funciona hoje o Restaurante Lunary – indagou Misael. 
 
 
Entre uma década e outra é comum o aspecto morfológico das cidades sofrer alteração. A evolução urbanística é inevitável. A planta de épocas distintas, se não resguardados os registros, restará pouca coisas para ser vista pelas futuras gerações. É uma das preocupações do líder do prefeito na Câmara, Misael Dantas.
 
 
- Quantas situações nós temos de ruas, de ruas simples, em que as casas foram reformadas ou derrubadas, ruas transformadas e não se tem o registro do antes – inquiriu.
 
 
No escopo da ideia, o parlamentar sugere que ao requerer o alvará de construção junto às Secretarias de Urbanismo ou de Obras, que a fotografia do imóvel seja anexada aos documentos exigidos. E essa, encaminhada pelo poder público à Secretaria da Cultura que se encarregará de passá-la para o acervo oficial, postada em site, arquivada de forma adequada, até digitalizada. 
 
 
- Quando a gente chega ali na Pizzaria Império estão expostas fotos antigas da cidade, todos ficam olhando, aguçam a curiosidade, acende a saudade, aquilo toca à alma da gente – salienta o autor da ideia.
 
 
Misael Dantas pediu o apoio dos seus colegas e garantiu que vai trabalhar no projeto que será levado em breve ao plenário.
 
 
- Se vossas excelências concordarem com a nossa ideia, que façamos um projeto de lei que venha garantir o registro arquitetônico da cidade para que a nossa história seja conhecida pelas futuras gerações - rematou.
 
 
Ascom CVE
Genílson Máximo